2015

mogno, ferro, vidro, chumbo, acrílico / mahogany, iron, glass, lead, acrylic
 
(fotografia de, photo by Torben Eskerod)
 
 
PT    Trabalhar para o Bronze é um projecto comissariado pela Kunstforeningen GL Strand para a exposição EXTRACT V – YOUNG ART PRIZE – CPH 2015. O título é adaptado de uma expressão comummente utilizada para descrever turistas ociosos, profundamente comprometidos com o seu bronzeado, empenhados em alterar a cor da sua pele através da exposição solar em imobilidade, num esforço não produtivo. Trabalhar para o Bronze considera os objectos que se encontram na praia durante a época balnear e interpreta-os numa instalação de adereços – uma praia interior para ser contemplada a partir de uma espreguiçadeira de mogno de onde se pode observar uma peça de vidro com a forma da impressão do mar sobre a areia, um balde e uma pá e três castelos de areia semi-feitos. Trabalhar para o Bronze é um conjunto escultórico de exibição interactiva acerca da utilização da paisagem litoral quando as temperaturas sobem, explorando simetrias entre trabalho e lazer e questionando a negociação entre privatização e acessibilidade nos espaços costeiros.

EN    Trabalhar para o Bronze (Working On the Bronze) is a project commissioned by Kunstforeningen GL Strand for the exhibition EXTRACT V – YOUNG ART PRIZE – CPH 2015. The title loosely translates as “Working on the Tan” or “Working for the Bronze”, an expression commonly used in the portuguese language to describe an idle vacationer, someone deeply committed to turning tan, enhancing the skin’s tone through body inactivity, unproductive labor. Trabalhar para o Bronze considers the objects that are set at the beach during peak summer season into an accessorised installation – an indoor beach setting to be contemplated from a mahogany long chair: a glass piece shaped like an impression of the sea on the sand, a pail and a shovel and three half-made wet sand castles. Trabalhar para o Bronze is a sculptural composition for display and play around the use of coastal landscape when temperatures rise, symmetries between work and leisure and the negotiation of privatization and open accessibility at the shore.
 

 
EM, IN EXTRACT V, KUNSTFORENINGEN GL STRAND, COPENHAGEN (DK);